.::. BLOCO SEM NOME - Dosinho

Carnaval de ontem e de hoje
» Lançamento: Independente

“Tu fica aproveitando o vai e vem da multidão / Não se faça de doido não / Não se faça de doido não // Eu já notei que sua loucura é manhã / Mas não esqueça que doido também apanha...”, garante o compositor potiguar Dosinho, figura ilustre do Carnaval que ocupa lugar de destaque entre os principais autores de frevo do Brasil. Claudionor Batista de Oliveira iniciou sua carreira de compositor criando jingles publicitários e marchinhas para campanhas políticas. Compôs sambas-enredo, hinos de clubes de futebol e chegou a trabalhar na Rádio Nacional (Rio de Janeiro) como assistente de orquestra. Apesar de estar se despedindo das gravações, garante que continuará escrevendo suas músicas, sempre marcadas pelo bom humor como os frevos “Dolar na cueca”, “Piriquito como tudo”, “Zé Boiola” e “Carnaval com BinLaden”.

Saudoso, Dosinho critica o atual estágio do Carnaval natalense com o CD “Bloco sem nome” – “... Meu bloco é grande, mas não tem diretor, nem porta-beira e compositor ou comissão de frente...”, que conta com arranjos de Jubileu Filho e participação de artistas como Paulo Tito, Claudionor Germano, Tânia Talli, Expedito Baracho e Isaque Galvão.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários ( 1 )

.::. COLORIDO - Gilberto Cabral

www.myspace.com/gilbertocabral
» Lançamento: Independente

O que esperar de um trombonista de nascença, criado no berço do frevo? Logo na primeira aula de música, o professor identificou a vocação do então garoto Gilberto Cabral – que chegou disposto a aprender saxofone e foi seduzido pela ‘metaleira’. Instrumentista, maestro e arranjador, Giba lança “Colorido” e engrossa o caldo da boa música produzida no RN. Pernambucano ‘naturalizado’ potiguar, o músico apresenta as operetas instrumentais “Saga” e a própria faixa título, que inicia com declamação poética de Yrahn Barreto (voz e guitarra).

Rodeado de amigos como Zé Hilton (sanfona), Valéria Oliveira (voz), Sérgio Groove (baixo), Wagner Tsé (percussão), Ronaldo Freire (flauta), Jubileu Filho, Eduardo Taufic, a musa Inês Latorraca (piano) e mais uma penca de grandes nomes da música local, Gilberto Cabral dá um passo a frente e coloca o trombone em evidência. Merece destaque a música “Baião de Nós”, que conta com participação especial de crianças atendidas pelo projeto “Ilha de Música”, iniciativa social que trabalha com inicialização musical de crianças da qual o maestro é um dos coordenadores.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

.::. DO MORRO AO ASFALTO - João do Morro

www.myspace.com/joaodomorro
» Lançamento: Rec-Beat Produções Artísticas

Dizem as boas línguas que o pernambucano João do Morro faz ‘fuleiragem music’, uma mistura de samba com reggae, hip hop, rock e afoxé. Escoltado pela banda Os Cara, formada por Betinho Rodrigues (guitarra), Alexandro Azevedo (baixo), Maersalal Ferreira (teclado), Marcelo Andrade (cavaquinho, Miza Batera (bateria), mais os percussionistas Juca Jr., Arthur Henrique, Johnata Pimentel e Tio do Pandeiro, o músico lança seu primeiro álbum gravado em estúdio sob a batuta de Antônio Gutierrez (também empresário da banda Cordel do Fogo Encantado e produtor do Festival Rec-Beat, evento que acontece durante o Carnaval do Recife).

Essencialmente um disco de samba, “Do Morro ao Asfalto” traz 12 faixas – destas, três já circulam com certa desenvoltura entre o público pernambucano que curte o perfil ‘tirador de onda’ do artista. Ouça o brega “Eu não presto”, que mereceu elogios do jornalista Marcelo Tas, e divirta-se com a hilária “Cueca de copinho”: “Quem não se lembra das cuecas de copinho / Que vinha com três cuecas de um pano vagabundinho...”.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

www.buoniamicis.com.br/sportbar/farra.html
» Lançamento: Red Bull Music Academy

Produtor, agitador cultural e co-responsável pelo sucesso da festa semanal Farra na Casa Alheia (parceria com DJ Marquinhos), em Fortaleza, evento considerado uma vitrine regional para bandas (novas ou não) que apostam em suingue, experimentalismo, batuque, balanço e tudo mais que fizer um público exigente mexer as cadeiras – nomes como Zé Cafofinho, Mundo Livre S/A, Eddie, B-Negão, entre outros, já passaram por lá. Fruto dessa ‘mistureba’ generalizada de estilos, DJ Guga de Castro coloca na roda uma compilação azeitada com cinco músicas produzidas a partir de samples e outras colagens de gravações exclusivas.

“Iracema Hot Sound” sintetiza a sensualidade da música produzida no Norte e Nordeste do país, da guitarrada e o carimbó paraense influenciados por ritmos caribenhos (“Compositor da ralé”) ao xaxado turbinado pela música eletrônica (“Na porta de cabarés”), e proporciona fusões inusitadas como hip hop e forró na música “Mac Pobre Feliz”. Trilha sonora certeira para animar qualquer encontro de escolados.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

.::. VISAGEM [EP] - Cabruêra

www.myspace.com/cabrueramusic
» Lançamento: Overmundo/Petrobras

Prévia do novo álbum da banda paraibana Cabruêra, “Visagem” em versão EP apresenta seis músicas inéditas que deixam em aberto o futuro da banda: regional? Eletrônico? Rock? Experimental? Ou tudo isso junto? A própria faixa título, que abre o disco, um instrumental envenenado por rock progressivo, frevo e surf music, faz questão de deixar tudo no ar: afinal o que a banda quer? O jogo começa a se definir na terceira faixa, “Pisa Morena”, uma ciranda moderna, consistente, que transmite segurança ao ouvinte, mas o jogo volta a empatar na metade final do EP.

Investindo no perfil ‘tipo exportação’, ou ‘uma mistura exóticas de ritmos que agrada em cheio o público estrangeiro (principalmente europeu)’, a Cabruêra ultrapassa os dez anos de existência com nova formação: Arthur Pessoa (firme e forte nos vocais e guitarra desde a primeira formação da banda), Pablo Ramires (bateria e percussão), Edy Gonzaga (baixo) e Leo Marinho (guitarra). Em tempo, produzido por João Parahyba, percussionista do Trio Mocotó, o CD será lançado após o Carnaval e estará disponível para download gratuito no site Overmundo.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

.::. C_MPL_TE - Móveis Coloniais de Acaju

www.moveiscoloniaisdeacaju.com.br
» Lançamento: Trama

Definitivamente a atmosfera de fanfarra da banda brasiliense Móveis Coloniais de Acaju funciona melhor no palco,mesmo com todo o esforço do experiente produtor Carlos Eduardo Miranda para emular essa energia dentro do estúdio. Se o ouvinte incauto ainda não conferiu a desempenho dos candangos ao vivo, coloque a música “Lista de Casamento” para tocar e tente imaginar nove marmanjos frenéticos, empunhando instrumentos de sopro e percussão, todos microfonados por equipamento sem fio, correndo de um lado para outro do palco até ir parar no meio do público.

A fórmula deu tão certo que, por mais que o disco seja animado, sempre fica aquela sensação de que está faltando alguma coisa – a própria presença dos músicos. “C_mpl_te” vem recheado por um rock básico, dançante, carismático, cujo charme é o formato big band e a alegria das letras. Está triste? Experimente ouvir o Móveis... Destaque para “ Sem Palavras” e “O Tempo”.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

www.myspace.com/tangadesereiaoficial
» Lançamento: Papai&Mamãe Produções Artísticas

Amor que se preza tem que ter seu lado brega, exagerado, meloso, sofrido... e a trilha sonora precisa corresponder a altura a toda essa cafonice. Apostando no bom humor e na legítima MMPB (Música Muito Popular Brasileira), a banda pernambucana Tanga de Sereia mostra que fez o dever de casa ao incorporar personalidades de ícones do gênero como Valdick Soriano, Odair José, Lindomar Castilho, Reginaldo Rossi, entre outros.

Neste segundo CD, a banda segue fiel à fórmula ‘tesão + paixão + ilusão + traição + solidão = amor barato e baladas bregas’ – uma sonoridade pontuada por bolero, zuki e tecnobrega, além de fiapos de rock e discotheque. Na linha de frente, Daniela Gouveia (voz) e Paulo Roberto (guitarra, voz e principal letrista) destilam o tom passional e safado dos temas que fazem parte da vida de qualquer pobre mortal. Entre as 14 faixas desta ‘pérola dos cabarés’, destaque para as músicas “Lava”, “Cada qualidade de homem”, “O filho da minha irmã” e “Melô da branquinha”. Ouça sem moderação e não leve muito a sério.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

www.myspace.com/zecafofinho
» Lançamento: Independente

“O disco tem uma tensão muito interessante entre antigo e moderno, raiz e antena, rural e urbano. A textura sonora é muito legal, remete a um monte de coisas bacanas (áfrica, caribe, samba e sertão), mas tem um lance ali muito próprio, original. E gosto muito das canções, com as suas letras fragmentárias bem interessantes. Estou feliz por fazer parte desse trabalho”, descreveu Arnaldo Antunes, que divide a letra e os vocais da faixa título – e quem somos nós para não prestar atenção no que diz o ex-Titã?

Segundo álbum do músico pernambucano Tiago Andrade (Zé Cafofinho), “Dança da Noite” soa estranho na primeira audição, mas logo conquista o ouvinte incauto com sua a voz grave e intensa, que chega escoltada por uma salada apetitosa de ritmos e confere um sabor diferente de tudo (ou boa parte) do que anda sendo produzido no mercado independente de música. Longe do perfil radiofônico e do rótulo ‘mangue’, Zé Cafofinho enfatiza – em suas composições – a urbanidade recifense, os amores de beira de rio e a própria origem. O CD é ideal para quem quer experimentar novas possibilidades sonoras.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

.::. MARIA GADÚ - Maria Gadú

www.mariagadu.com.br
» Lançamento: Slap/Som Livre

Provavelmente, mesmo que por osmose, você já deve ter ouvido Maria Gadú e sua indefectível “Shimbalaiê” – executada à exaustão desde o segundo semestre de 2009. Porém, engana-se quem pensa que o trabalho da jovem cantora e compositora paulistana se resume ao neologismo-pegajoso-de-apelo-radiofônico. Com apenas 23 anos e um visual agressivo que lembra a saudosa Cássia Eller, Gadú vem sendo considerada uma das grandes revelações da nova safra da MPB por sua personalidade e talento.

Revelada para o grande público ao interpretar a clássica “Ne me quitte pas”, do francês Jacques Brel, para a minissérie “Maysa - Quando Fala o Coração” (TV Globo), a cantora também atraiu a atenção de medalhões como Caetano Veloso e Milton Nascimento, detalhe que chancela e credencia a artistas para vôos mais altos. Entre as 13 músicas do CD, uma versão sofisticada e acústica para “Baba” (da dublê de cantora Kelly Key) merece destaque e pode surpreender os mais céticos. Em tempo, o hit “Shimbalaiê” foi composta quando Maria Gadú tinha apenas dez anos.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

.::. APAGÃO ELÉTRICO

Apagão localizado
Tem coisas que não podemos contornar, como a falta de eletricidade nas tomadas justamente na hora que mais precisamos. Pois bem, a quebra de um cabo de alta tensão (ocorrência nº 11785 da Cosern) transformou um HD em cativeiro para as resenhas que deveriam ser publicada na coluna Ondas Curtas deste sábado (dia 23).

No jornal Tribuna do Norte deste próximo sábado (dia 30), não perca comentários sobre os CDs da cantora Maria Gadu, e das bandas
Tanga de Sereia e Zé Cafofinho e suas Correntes.


|

Comentários [ 0 ]

.::. VAGAROSA - Céu

www.ceumusic.com
» Lançamento: Urban Jungle / Universal

“Vagarosa”, o segundo disco da cantora e compositora Céu, surpreende pelo sotaque cosmopolita da nova música brasileira: a malemolência do samba se funde com precisão cirúrgica a sonoridade jamaicana e resultam em um trabalho sensorial, repleto de experimentações que embalam aqueles momentos de contemplação despreocupada. Psicodélico e contemporâneo na medida certa, o álbum chega a reboque da ótima repercussão de seu primeiro CD homônimo lançado em 2004, um intervalo que conferiu amadurecimento capaz de catapultar Céu em novas turnês mundiais.

Priorizando a liberdade criativa, “Vagarosa” conta com as participações luxuosas do guitarrista Fernando Catatau (Cidadão Instigado) – nas ‘viajandonas’ “Espaçonave” e “Bubuia” -, de Luiz Melodia na música “Vira Lata”, e de quatro integrantes do combo Los Sebozos Postizos: Lúcio Maia (guitarra), Dengue (baixo), Pupillo (bateria) e Bactéria (teclado) em “Rosa, Menina Rosa”, de Jorge Benjor – única versão registrada no disco. “Um pouco de leseira e preguiça não faz mal a ninguém. Caymmi é que estava certo!”, afirma a cantora sem culpa.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

trama.uol.com.br/otto
» Lançamento: Nublu (EUA) / Arterial Music (Brasil)

Inspirado pela frase de abertura do clássico “Metamorfose”, do escritor Franz Kafka, o pernambucano Otto volta à cena com seu (aguardado e independente) quarto CD. Lançado em primeira mão para o público norte-americano (setembro/09), “Certa Manhã...” aterrissa em solo brazuca liquidificando a pegada batuqueira do cantor e compositor com nuances eletrônicas e experimentalismos que esbarram em sonoridades caribenhas. Com fartas doses de melancolia, justificada por uma série de episódios pessoais que influenciaram o resultado final do disco, Otto renova repertório guiado pelo tato e segue por caminhos mais orgânicos – bem diferente do perfil computadorizado visto nos álbuns anteriores.

Produzido em parceria com Pupillo (baterista da Nação Zumbi), o CD soa contemporâneo e moderno sem deixar de lado as origens e tradições que forjaram sua carreira. Das dez faixas, duas são regravações: “Lágrimas Negras”, de Jorge Mautner e Nelson Jacobina, e o samba-canção “Naquela Mesa”, de Sérgio Bittencourt. Entre os convidados, destaque para a cantora Céu e Lirinha (do Cordel do Fogo Encantado).

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

.::. IÊ IÊ IÊ - Arnaldo Antunes

www.arnaldoantunes.com.br
» Lançamento: Rosa Celeste

O eterno Titã Arnaldo Antunes lança seu décimo disco solo com um frescor que surpreende ouvintes acostumados com seu estilo tranqüilo e poético. Em “Iê Iê Iê”, o cantor e compositor resgata o conceito do gênero imortalizado pelos Beatles sem ser saudosista, e aposta em uma sonoridade mais dançante – influenciada pela surf music, pelo twist e pela Jovem guarda.

Produzido pelo instigado Fernando Catatau, o disco tem um pé no clima “retrô” e outro na modernidade, que recria uma atmosfera sessentista capaz de fazer a festa de qualquer fã da cultura pop. Escoltado por Edgar Scandurra (na guitarra) e Curumim (na bateria), Arnaldo Antunes divide 90% das composições com parceiros (entre eles os amigos Tribalistas Marisa Monte e Carlinhos Brown) e traz à tona composições antigas e inéditas do tempo que os Titãs ainda tinham “Iê Iê” no nome. “Iê iê iê é uma palavra que não está no dicionário, mas todo mundo sabe o que significa. Como se fosse um nome que se dava ao rock’n roll antes dele se chamar rock’n roll”, garante Antunes.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

.::. IN CONTRAST - The Automatics

www.myspace.com/theautomaticsnatal
» Lançamento: Dia 32 / Noize

“Enquanto muitas bandas passam anos mudando de som e tentando chegar em algum lugar, outras permanecem com ele desde o primeiro acorde. É neste último caso que se encontram os agora trintões dos Automatics, os arautos do guitar-indie-rock potiguar”, define o paraibano (e roqueiro de carteirinha) Jesuino André, editor do site www.ladonorte.net, no texto de apresentação de “In Contrast”, sétimo CD do ex-trio e agora quarteto The Automatics.

Fiéis seguidores do rock britanico, a banda formada por Alexandre Alves (voz, guitarra e capitão do selo Dia 32), Henrique Pinto (guitarra, loops), Augusto Tavares (bateria) e Christiane Pimenta (baixo) canta em inglês, aposta fichas em bons riffs e comprova a tendência melancólica do rótulo britpop. O álbum vem com o sabor especial da maturação, elemento que transmite segurança e as medidas certas de uma inquietação ‘fabricante’ de pano para novas mangas. Entre os destaques, participação do músico Sandro Garcia (da paulistana Continental Combo) na faixa “Other side of silence”.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

» Lançamento: Dia 32 / Xubba Musik / Noize

O selo potiguar Dia 32 começa 2010 atualizado com o lançamento da segunda edição do “Natal Rock”, furiosa coletânea com dez faixas de cinco bandas de rock que circulam na capital do RN. Materializado em parceria com o pessoal da Xubba Musik e do Coletivo Noize (bons exemplos de empreendedorismo cultural no Estado), o CD serve como cartão de visitas para as bandas Bugs, Calistoga (foto), The Automatics e (a de nome quilométrico) Blinders that came from your old tow – justamente a novidade desta coletânea: Blinders... bebe na fonte do ‘oráculo’ britpop e chega na área turbinada por uma pegada psicodélica, ousada.

Novo experimento que reúne ex-integrantes da finada-fogo-de-palha Bandini, a banda também se destaca pela personalidade sonora dos vocais e a performance do baterista – detalhes que conferem sensações visuais ao ouvinte. Letras executadas em inglês dominam a compilação, deixando a responsabilidade de representar o sotaque brazuca com o Bugs – que, inclusive, rouba a cena e é sem dúvida o maior destaque do CD. O quinteto Calistoga também marca boa presença.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

.::. ALMA DE POETA - Esso

www.sitiodoesso.com
» Lançamento: Elephante Registros / Projeto Pixinguinha

A essência é o rock, mas a música do potiguar Esso transcende em “Alma de Poeta” – uma obra sutil e contemplativa produzida com apoio do Projeto Pixinguinha. A partir de uma abordagem romântica e nada ingênua (como muitos poderiam imaginar), o cantor e compositor fecha o ciclo iniciado em 2003, quando o álbum foi idealizado durante encontros com diferentes músicos e poetas - como Pedro Osmar e Celso de Alencar – em um centro cultural paulistano, durante temporada do potiguar na terra da garoa. “Nos encontrávamos num único desejo de dizer poesias envolvidas com música”. Esse desejo, continua o compositor, é “poetizar o cotidiano das pessoas, tornar a poesia além da escuta.”

Melodias existencialistas e o tom reflexivo das letras, características já vistas em trabalhos anteriores, seguem norteando o artista, que faz questão de espetar o imobilismo social e a falta de interesse pelo coletivo, vide a ácida “Sonata de um Soneto” (texto de Alex Nascimento), onde interpreta no tête-à-tête com o piano do músico Lula Alencar. O disco é carinhosamente dedicado a “você” (nós).

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

Comentários [ 0 ]

.::. ANO NOVO

Ano Novo - 1º de janeiro
Em virtude do feriado, o jornal Tribuna do Norte não circulou no sábado (dia 2).


|

Comentários [ 0 ]