.::. CINECLUBE - Babal e Lívio Oliveira


» Lançamento: Independente



Verdadeira ode à alma feminina, o CD “Cineclube”, o disco de estreia da seção, foi buscar inspiração na sétima arte para despir – com certa obsessão - musas do cinema como Brigitte Bardot e Marilyn Monroe.

Com letras do poeta Lívio Oliveira e musicalidade do compositor Babal, o disco ganha forma a partir dos arranjos sofisticados de Joca Costa (que também assina a Direção Musical e participa como guitarrista) e corpo com a participação de músicos tarimbados como o percussionista Cássio Duarte, o baterista Di Stefano, Airton Guimarães (baixo) e o saxofonista Montanha, entre outros. As cantoras Valéria Oliveira, Luciane Antunes, Liz Rosa e Khrystal, mais participação especial de Geraldo Azevedo (na faixa 7) também estão nessa sessão Cineclube.

Boa parte da canções é dedicada a personagens reais da indústria cinematográfica (atores, diretores e escritores) do naipe de Dennis Hoper, Peter Fonda, Federico Fellini e Faye Dunaway – os potiguares Buca Dantas e Jussara Queiroz também foram lembrados nas letras. Merece destaque as composições “Ruas e Luzes”, homenagem a Charles Chaplin na voz de Khrystal, e “Quem há de acreditar?”, dedicada a Pedro Almodóvar e Carlos Saura – essa última traz um sotaque latino, cujo tempero caliente confere certo vigor ao perfil light do projeto.

Apesar da complexidade dos arranjos, musicalmente o CD peca pela falta de ousadia e corre o risco de soar como trilha sonora para almoços e jantares – à luz de velas de preferência. Uma música feita para agradar ouvidos sensíveis e rebuscados, mas com o claro receio de quem não quer se arriscar por lugares incomuns. “Cineclube” foi produzido com patrocínio da Lei Câmara Cascudo e da Cosern.

[ link original da crítica na Tribuna do Norte ]


|

0 comentários:

Postar um comentário